joao-marcelo-marques-791496-unsplash

Máquinas dotadas de visão computacional e I.A. podem reduzir o uso de pesticidas em até 90%. Foto: João Marcelo Marques.

 

Em junho deste ano, uma Comissão Especial da Câmara dos Deputados aprovou o controverso Projeto de Lei 6.299/2002, também chamado pelos críticos de “PL do veneno”. O projeto prevê, entre outros, a transferência do poder decisório sobre o uso de pesticidas da Anvisa e do Ibama para o Ministério da Agricultura.

Embora ainda não tenha sido sancionado – o Projeto de Lei precisa ser aprovado pelo plenário da Câmara e pelo Senado antes de ser encaminhado para sanção presidencial – debates acalorados sobre o tema vêm acontecendo. Defensores do PL alegam que ele é baseado em legislações mais modernas e críticos afirmam que a regulamentação dos pesticidas deve continuar passando pelas agências de saúde e ambientais.

Pontos de vista à parte, há dois fatos que nem defensores nem opositores do Projeto de Lei podem negar: os brasileiros consomem agroquímicos em excesso e os produtores nacionais gastam muito dinheiro com pesticidas. Todos os anos, são pulverizados 7,3 litros de agroquímicos para cada cidadão brasileiro. O Brasil lidera o ranking de maior consumidor de pesticidas do mundo desde 2008. O gasto dos produtores com fitossanitários também é elevado: somente em 2014, mais de R$12 bilhões foram destinados à compra destes produtos.

No entanto, a inteligência artificial e a visão computacional prometem um futuro melhor tanto para os produtores quanto para os consumidores nacionais. Novas tecnologias prometem conciliar a quantidade e a qualidade das safras ao reduzir drasticamente o uso de produtos químicos na agricultura.

É o caso da tecnologia “See and Spray”, que vem sendo desenvolvida nos EUA e já é utilizada em plantações de algodão.

Uma máquina equipada com uma câmera inteligente monitora áreas de plantio e identifica com precisão quais são as plantas afetadas por pragas. A máquina é capaz de gerar um relatório ao produtor discriminando o exato número de plantas afetadas e quais são as pragas em questão. Com esses dados disponíveis, o pesticida não precisa mais ser pulverizado em toda a área de plantio: a máquina aplica o produto somente nas plantas afetadas. A tecnologia “See and Spray” reduz o uso de pesticidas em até 90%, diminuindo os gastos dos agricultores e os efeitos na saúde ambiental e dos cidadãos.

Graças a essas máquinas, os interesses até então inconciliáveis de produtores, consumidores e ambientalistas podem finalmente convergir – e a sociedade como um todo só tem a ganhar com isso.

 

Tecnologias da MVISIA para o agronegócio

A MVISIA é especialista no desenvolvimento e aplicação de tecnologias de inteligência artificial e visão computacional no agronegócio. Focamos na utilização de câmeras inteligentes para o controle de qualidade e processos nas linhas de produção agroindustriais. Essas câmeras são desenvolvidas sob medida para os mais diversos tipos de empresa.

Quer saber mais sobre como nossas soluções impactam o seu negócio?

Acesse o nosso site (http://mvisia.com.br) e entre em contato conosco!

 

 

 

Escrito por MVISIA

A MVisia desenvolve máquinas e sistemas baseados em visão computacional e inteligência artificial para qualificação de produtos agrícolas.