Quinto maior território, sexta maior população e nono maior PIB (Produto Interno Bruto) do mundo, o Brasil é um país de dimensões imensas. Assim como as nossas florestas, campos e cidades, o agronegócio nacional também tem proporções gigantescas: segundo dados da OMC (Organização Mundial do Comércio), somos o terceiro maior exportador de produtos agrícolas e os maiores produtores de laranja, café, carne bovina e açúcar do mundo.

Tal presença no mercado internacional repercute fortemente na economia nacional. Basta uma breve olhada nos números para constatarmos a importância do agronegócio no Brasil: quase um quarto de todas as riquezas nacionais (PIB) são frutos do desempenho do setor; mais de 40% de todas as nossas exportações são oriundas de produtos agrícolas e aproximadamente um em cada cinco trabalhadores brasileiros é empregado pela cadeia produtiva do agronegócio (trabalhadores do campo, fornecedores de insumo, compradores de matéria-prima e empresas responsáveis pelo processamento para a inserção destes produtos no mercado mundial). São mais de 19 milhões de empregos gerados de um total estimado de 91 milhões de trabalhadores ativos no Brasil.

stock-photo-impressive-view-of-green-garden-farming-in-springtime-picturesque-day-and-gorgeous-scene-622952741.jpg

Brasil é o líder mundial na produção de diversos produtos agrícolas, como é o caso da laranja. Foto: Shutterstock

Com números e impactos tão expressivos, é inegável o fato de que o agronegócio é uma das principais – e mais produtivas – engrenagens da economia nacional. No entanto, também não se pode negar que ainda há muita margem para melhorar a eficiência, a sustentabilidade e os resultados do setor.

Somos, por exemplo, o país que mais desmata no mundo: entre agosto de 2016 e julho de 2017, foi desmatada – só na Amazônia – uma área de quase 3.000km², número equivalente ao dobro do território da cidade de São Paulo. E boa parte deste desmatamento acontece para a expansão do agronegócio.

Porém, os investimentos do setor em tecnologia vêm trazendo ganhos de produtividade e evitando cada vez mais o desmatamento. De 1991 a 2017, a produção de grãos e oleaginosas subiu 312%, mas a área plantada cresceu apenas 61%. À medida que a tecnologia avança, a tendência é de ganhos ainda maiores tanto para os produtores quanto na preservação da natureza brasileira.

Nos últimos anos, tecnologias de visão computacional – aliadas à inteligência artificial – vêm se popularizando entre produtores ao redor do mundo. Máquinas dotadas de tais tecnologias podem, por exemplo, identificar doenças e problemas de nutrição nas mudas das plantas. Isso permite aos agricultores corrigir os problemas logo no início e dedicar as áreas de plantio às mudas saudáveis, diminuindo, assim, o desmatamento – e aumentando a eficiência de suas safras.

eucalyptus-2734066_960_720

Floresta de eucaliptos na Espanha. Tecnologias de visão computacional identificam as mudas saudáveis da planta, diminuindo, assim, o desperdício de áreas de plantio com eucaliptos doentes. Foto: ekaterinvor

O futuro do agronegócio passa, portanto, pelo investimento em inovações tecnológicas e na aplicação intensiva de novas tecnologias. Mantendo-se as tendências atuais, as perspectivas para o aumento da eficiência e da sustentabilidade do setor são animadoras – o mercado promete se tornar mais produtivo e competitivo, contribuindo ainda mais para a geração de empregos e participação no PIB nacional.

 

Fontes e referências:

http://g1.globo.com/economia/agronegocios/agro-a-industria-riqueza-do-brasil/noticia/2016/12/agronegocio-brasileiro-emprega-19-milhoes-de-pessoas.htmlhttps://g1.globo.com/economia/agronegocios/noticia/participacao-do-agronegocio-no-pib-e-a-maior-em-13-anos-estima-cna.ghtml
https://g1.globo.com/economia/agronegocios/noticia/brasil-perdeu-espaco-no-mercado-agricola-mundial-afirma-omc.ghtml
http://www.fao.org/brasil/noticias/detail-events/en/c/992186/
http://databank.worldbank.org/data/download/GDP.pdf
http://envolverde.cartacapital.com.br/o-agronegocio-brasileiro-e-uma-potencia-mas-se-tornou-uma-ameaca-diz-artigo/
http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2017-08/desmatamento-na-amazonia-cai-21-mas-aumenta-22-em-unidades-de-conservacao

Escrito por MVISIA

A MVisia desenvolve máquinas e sistemas baseados em visão computacional e inteligência artificial para qualificação de produtos agrícolas.