O ano era 1792, e um jovem engenheiro mecânico do estado de Massachussets, nos Estados Unidos, acabara de receber um convite para atuar como professor no estado da Carolina do Sul. Recém-formado em Yale, o jovem engenheiro Eli Whitney – empolgado para conhecer as grandes plantações do sul do país e ensinar as técnicas que aprendera nos anos de universidade – acabou prontamente aceitando o convite.

stock-photo-united-stats-of-america-circa-a-stamp-printed-in-usa-shows-eli-whitney-circa-133302368

Selo postal dos EUA com a imagem de Whitney – prova do apreço da nação pelas suas contribuições tecnológicas ao país. Foto: Shutterstock

Porém, quando Whitney viajava para a Carolina do Sul rumo à sua nova profissão, as coisas desandaram: ainda no navio, ele recebeu a notícia de que o salário que receberia trabalhando como professor seria cortado pela metade. Com pouco dinheiro e já a caminho do sul do país (mais de 1000 km separam Massachussets da Carolina do Sul), Whitney tinha poucas opções além de aceitar o emprego, ainda que o salário fosse metade do que esperava receber.

No entanto, quis o destino que essa mesma viagem acabasse reservando a Whitney uma sorte que mudaria a sua vida e a própria história dos EUA: no navio, o engenheiro conheceu Catherine Greene, rica viúva de um general da Guerra de Independência do país. Os dois ficaram amigos e, comovida pela situação de Whitney, Greene o convidou a se estabelecer no estado da Geórgia, onde ela possuía grandes propriedades rurais com plantações de tabaco e algodão.

Na época, o tabaco – um dos principais produtos de exportação do sul dos EUA no século XVIII – encontrava-se em declínio. A solução temporária encontrada pelos fazendeiros do sul para contornar a crise do tabaco era o plantio de algodão. Este, porém, jamais chegara a decolar no país até então, pois o processo de limpeza do produto após a colheita exigia um intenso trabalho manual que diminuía a produção e encarecia o seu preço final, tornando-o menos atrativo ao mercado.

Nas fazendas de Greene, após observar os processos de colheita, separação e limpeza do algodão, o jovem engenheiro Whitney teve uma ideia: construir uma máquina que realizasse o mesmo trabalho dos homens, porém de forma mais ágil e eficiente.

Em 14 de março de 1794, Whitney patenteou a máquina descaroçadora de algodão (“cotton engine” ou “cotton gin”), uma invenção tecnológica capaz de limpar algodão 200 vezes mais rápido do que mãos humanas. A invenção multiplicou a produção de algodão nos EUA, aumentando a produtividade de milhares de fazendeiros do sul e barateando o custo e o acesso ao produto no país.

stock-photo-textile-workshop-a-working-cotton-gin-529601182.jpg

Versão mais moderna de máquina descaroçadora de algodão, a invenção de Whitney que revolucionou a produção norte-americana. Foto: Shutterstock

Histórias como as de Whitney e sua máquina descaroçadora fazem parte da longa relação que tecnologia e agricultura mantêm: desde as técnicas de irrigação no Antigo Egito até as mais modernas máquinas de inteligência artificial, invenções tecnológicas vêm mudando os rumos da história humana e multiplicando a produtividade e a eficiência do setor, garantindo o abastecimento e a alimentação de populações que não param de crescer.

Os desafios impostos ao setor agrícola hoje são maiores do que os enfrentados pelos estados do sul dos EUA na década de 1790. Segundo um relatório da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO, na sigla em inglês), a população mundial deve crescer para mais de 9 bilhões de pessoas em 2050 – e, para atender a toda essa demanda, a produção agrícola global terá de crescer cerca de 60% em comparação aos níveis de 2005 e 2007.

Inovações tecnológicas, start-ups e empresas atuando com tecnologia no setor são, portanto, muito bem-vindas. Assim como a máquina de Whitney revitalizou a indústria, a economia e os serviços do sul dos EUA, novas máquinas e tecnologias podem dar novo fôlego a velhos produtos e alterar para sempre a dinâmica de processos de controle e produção agrícolas.

Fontes e referências

http://www.fao.org/docrep/018/i3107e/i3107e03.pdf
https://www.biography.com/people/eli-whitney-9530201
https://www.thoughtco.com/agriculture-and-farm-innovations-4083329
https://www.thoughtco.com/american-farm-tech-development-4083328
https://www.farmcollector.com/equipment/ten-agricultural-inventions-in-farming-history
https://agvanwert.wordpress.com/2009/09/30/top-10-most-influential-people-in-agriculture-and-farming-history/
http://oficinadahistoriad.blogspot.com/2008/12/mquina-descaroadora-de-algodo.html

Escrito por MVISIA

A MVisia desenvolve máquinas e sistemas baseados em visão computacional e inteligência artificial para qualificação de produtos agrícolas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s